"A meta final do JUDÔ KODOKAN é o aperfeiçoamento do indivíduo por si mesmo, desenvolvendo um espírito que deve buscar a verdade através de esforço constante e da sua total abnegação, para contribuir na prosperidade e no bem estar da raça humana" "Nada sob o céu é mais importante que a educação. Os ensinamentos de uma pessoa virtuosa podem influênciar uma multidão; aquilo que foi bem aprendido por uma geração pode ser transmitidas a outras cem." Jigoro Kano

MASAHIKO KIMURA vs HÉLIO GRACIE Por Sensei Novais


Navegando como sempre nas páginas da web, encontrei um texto falando sobre a história do judô,até aí nada de mais, mas oque me chamou a atenção foi a maneira em que o autor descreveu a luta entre Hélio e Kimura em 1955...interessante!
vejam a baixo...


MASAHIKO KIMURA (1917-1993).

No ano de 1917 nascia MASAHIKO KIMURA, JUDOCA que obteve o 5º DAN com apenas 18 anos e 7º DAN com 27 anos.

É interessante observar que KIMURA não se contentava apenas em exercitar-se de uma forma humanamente normal, considerando que levantava pesos extraordinários para o seu físico, uma vez que fazia 1000 (mil) pushups non-stops, quatro vezes por dia, ou, ao menos seis horas de exercício por dia.
Não satisfeito, ainda era conhecido como “MATADOR DE ÁRVORES”, uma vez que passava de três (3) a quatro (4) horas todas as noites, preferencialmente a partir das 00:00 hora, fazendo UCHI-KOMI (entradas) em árvores, testando as suas técnicas ofensivas e defensivas. Naturalmente, tamanho arrojo, determinação e saga causavam com algum tempo a morte das árvores, coisa que o fazia procurar outras em outro bosque ou local. Antes de entrar no mérito desta luta, preciso fazer umas preliminares:


1- A verdade geralmente nunca é aquilo que lhe dizem, mas aquilo que você constata;

2- Existem princípios filosóficos nas Artes Marciais, principalmente no Judô, que dizem o seguinte:


I Quem teme perder, já está vencido;
II O mais importante é competir (o resultado conserta-se amanhã);
III O judoka não se aperfeiçoa para lutar, luta para se aperfeiçoar;
IV Nunca te orgulhes de haver vencido um adversário. Quem venceste hoje, poderá derrotar-te amanhã. A ÚNICA VITÓRIA QUE PERDURA É A QUE SE CONQUISTA SOBRE A PRÓPRIA IGNORÂNCIA.

Volto a dizer mais uma vez que não é nenhum desmérito perder, uma vez que, em uma luta, alguém ganha e alguém perde. A dignidade está na sobriedade de aceitar o resultado. Lembre-se que o adversário derrotado hoje, pode ser o vitorioso amanhã, contudo, o meu inconformismo é de ter sido enganado por quarenta (40) anos, só tendo conhecimento da realidade, quando já adulto, quando com meus próprios olhos vi uma luta que a imprensa nada valorou em relação a um ESTRANGEIRO e sim a um VERDEAMARELO.
Não terço tais comentários para diminuir qualquer atleta, muito menos um que é reconhecido pela sua bravura, entretanto, não me sai da cabeça o DAVI (Hélio) frente ao GOLIAS (Kimura), isto no sentido técnico, já que não havia entre ambos tal desproporção física e que a imprensa de forma enganosa inversamente divulgou valores. Esta última chegou a ponto de dizer que a vitória de KIMURA foi um equívoco, que o canto de Hélio jogou a toalha quando o mesmo estava em plena combatividade. Absurdo, uma vez que KIMURA girava em cima de Hélio como um peão em cima de um cavalo bugre, anêmico e a cada 60º graus de giro causava (aplicava-o) dolorosas técnicas de GRAPPLING. Durante a luta, segundo informações obtidas de fontes fidedignas, inclusive internacional, captada via internet, a contenda ocorreu na forma suscitada: Kimura jogou Hélio repetidamente com IPPON-SEOI-NAGE, OSOTO-GARI, HARAI-GOSHI, imobilizou, estabilizou, virou um peão grampeando com KUZURE-KAMI-SHIHO-GATAME, KESA-GATAME, imobilizou, tentou estrangular e finalizar com chave - SANKAKU-GATAME, posteriormente, aplicou OSOTO-GARI, grampeando mais uma vez através de KUZURE-KAMI-SHIHO-GATAME e, finalmente, foi finalizado (HÉLIO) através de uma chave de braço denominada UDE-GARAMI, tendo, em virtude disso, provocado a quebra do cotovelo do braço esquerdo do opositor.

Poderia KIMURA TER POSTO UM PONTO FINAL, GANHO DE FORMA RÁPIDA A PARTIR DO INÍCIO DO COMBATE, QUANDO O JOGOU E O IMOBILIZOU. Certamente por respeito a um público enorme de cerca de vinte mil (20.000) pessoas estando, entre o mesmo, o PRESIDENTE (DR. GETÚLIO VARGAS) e VICE-PRESIDENTE DO BRASIL, seria anti-ético ter vindo de tão longe (Japão) para competir e liquidar um adversário em poucos minutos, face a sua superioridade (QUE NÃO SE PODE COMPARAR). Assim, o mesmo aplicou todas as técnicas acima referidas e ao final, finalizou o adversário, satisfazendo os expectadores e público em geral que foram deleitar-se com um espetáculo de magno tamanho.












Os brasileiros estavam tão convictos da vitória do representante verde-amarelo, que os seguidores da família GRACIE levaram um caixão para o local de combate, para que o patriarca matasse KIMURA (isto naturalmente como símbolo), contudo, HÉLIO GRACIE precisava saber que cada um tem o seu limite e este subestimou o de KIMURA.

Ao final, ficou a última lição dada a um dos estilos de ju-jitsu, cujo grande mestre HÉLIO GRACIE é o patriarca. KIMURA É ÚNICO E NÃO EXISTIU OUTRO NA SUA ÉPOCA e este aluno de Dr. Jigoro Kano veio para mais uma vez RATIFICAR o seu novo estilo de Ju-jitsu - “O JUDÔ”.

Pondo um epílogo nas narrativas de ponta em que se encontraram mestres do Ju-jitsu, é bom observar também que o grande WALDEMAR SANTANA, aluno número 1(um) do mestre HÉLIO GRACIE E QUE O VENCEU EM UMA LUTA DE MAIS DE TRÊS (3) HORAS, TAMBÉM ENFRENTOU E FOI DERROTADO POR KIMURA.

Segundo o meu saudoso SHIHAN SHIZUKA KITAMI, o KIMURA, depois que deixou de fazer lutas livre e vale tudo, foi reabilitado pelo KODOKAN, tendo se tornado um dos professores (shihan) daquele instituto e também tendo sido mestre do meu mestre.

Texto retirado da página do Sensei Novais:
http://www.selfdefensejudo.com/pt/jigoro.html

Kimura, na sua auto-biografia, notou que quando ele entrou no estádio, ele viu um caixão.

"Eu perguntei o que era aquilo. E me disseram .Isto é para o Kimura, foi o Helio que trouxe."

Enquanto o mestre Helio Gracie imaginava enfrentar os 220 pounds (100 kg) do gigante Kimura, ele estava na época apenas com cerca de 187 pounds, ou seja, 85 kg, mas mesmo assim continuava fisicamente muito mais forte do que Helio Gracie. Ele arremessou o Gracie e finalmente prendeu-o com uma chave de ombro que é agora conhecida como Kimura ou ude-garame para os judokas, e quebrou o braço de Helio. O Gracie não bateu, mesmo escutando o barulho do seu osso quebrando. Kimura não conseguia pensar em mais nada a não ser em continuar com o movimento, e escutou o barulho do osso quebrando pela segunda vez antes que o córner de Helio jogasse a toalha.

A outra derrota, foi em 1955, foi para um dos seus melhores alunos e professor da sua academia, Waldemar Santana. Os dois tiveram um desentendimento em relação ao fato de Santana estar praticando pro-wrestler, fato este revelado por um repórter de jornal. A luta durou 3 horas e 45 minutos antes que o bem mais jovem Santana vencesse o que se acreditava na época, a mais longa luta de Vale-Tudo da história.

Esta derrota levou Carlson Gracie a uma série de lutas contra Santana para restaurar o nome da família, com Carlson vencendo a mais famosa luta em 03 de agosto de 1956, no Maracanã para um público de 40.000 fãs.
Muito legal o comentário do autor sobre a luta, isso me faz lembrar de um ditado no judô: "Kimura No mae Ni Kimura Naku, Kimura No Ato Ni Kimura Nashi."
"Ninguem antes de Kimura, ninguem apos Kimura"...
Abraços Elton
« Previous
 
Next »
 

3 comentários:

Cara grande artigo... Meus Parabéns ...

os gracie são fenomenais, mas o que fazem é judo com enfase para o ne waza.o judo, por sua vez é uma compilação de vários estilos de luta japonesas a mãos nuas, com enfase para o grappling.atualmente , em ambas as artes é prepoderante o aspecto espetáculo em ambas,e não a eficiencia.

Hélio Gracie foi o melhor pound pound da época!