"A meta final do JUDÔ KODOKAN é o aperfeiçoamento do indivíduo por si mesmo, desenvolvendo um espírito que deve buscar a verdade através de esforço constante e da sua total abnegação, para contribuir na prosperidade e no bem estar da raça humana" "Nada sob o céu é mais importante que a educação. Os ensinamentos de uma pessoa virtuosa podem influênciar uma multidão; aquilo que foi bem aprendido por uma geração pode ser transmitidas a outras cem." Jigoro Kano

A verdadeira história de Conde Koma (biografias)



No livro de Renzo/Royler que é co-escrito pelo faixa-preta de Jiu-Jitsu e professor de filosofia da Columbia Universidade em Nova Yok, John Donaher, o outor escreve:

"...Enfim, tudo isso deixa a dúvida lutador de "Judô" ou de "Jiu-Jitsu" para uma simples questão de terminologia, visto que à época, não havia quase diferença, e o Judô havia sido criado muito recentemente do Jiu-Jitsu. Me parece fora de contexto discutir se Maeda era de um estilo ou de outro um século depois, quando as modalidades têm regras totalmente distintas. E se é para escolher um estilo (acho desnecessário, porém), a opção mais racional é mesmo o Jiu-Jitsu, pelo simples fato de respeitar a vontade de Maeda."
Será mesmo ???
Para aqueles que ainda duvidam da origem marcial de Conde koma, aí vai duas boas biografias da vida desse nosso grande lutador.A primeira biografia de Mitsuyo Maeda (Conde Koma),é de autoria de Norio Koyama. O livro se chama (em tradução livre) "O Sonho do Leão" e ganhou o prêmio de melhor livro de não-ficção da revista japonesa SAPIO. O autor visitou os lugares em que Maeda esteve (USA, Brasil, Cuba, Espanha, Inglaterra e etc.), entrevistou os imigrantes que o conheceram, pesquisou seus documentos escolares, etc.Maeda nasceu em 1878 na província de Aomori (bem ao norte da ilha de Honshu) e não era de origem nobre como contam aqui no Brasil, tendo sido um estudante medíocre; ele chegou em Toquio com 17 para 18 anos (1894), onde iniciou seus treinos em artes marciais, sendo que o Kodokan possui o registro de sua matrícula desse mesmo ano de 1894. Ou seja, não há nenhuma possibilidade de que ele tenha estudado Ju-Jutsu tradicional - ele começou mesmo treinando judô Kodokan, e logo foi considerado o mais promissor dos estudantes de judô. Em 1904 ele e seu professor Tsunejiro Tomita foram aos EUA para demonstrações de judô, e ao contrário do que ele dizia, não se encontrou com o presidente Roosevelt na Casa Branca (na verdade, quem foi instrutor de judô de Roosevelt foi o lendário mestre Yoshitsugo Yamashita). Depois disso ele deu aulas de judô na Universidade de Princeton em NY, mas aí ele começou a aceitar desafios de lutadores de outros estilos (boxe, luta-livre e etc.), o que era estritamente proibido pelas regras do Kodokan. Nesse ponto, há uma dúvida: no fim da vida, o próprio Maeda dizia a outros japoneses que se arrependia de ter feito isso, pois por esse motivo ele tinha sido expulso do Kodokan, mas o autor da biografia não encontrou nos arquivos do Kodokan nenhum documento que provasse que tal expulsão tivesse de fato ocorrido. De qualquer modo, nesse ponto parece que acabam os laços de Maeda com o Kodokan e começa a carreira "artística" do Conde Koma. Ele passou a utilizar esse nome em 1908, na Espanha, para poder desafiar um outro lutador japonês de judô que estava por lá sem ser reconhecido: em japonês, o verbo "komaru" significa "estar em situação delicada" - o que era seu caso, pelo menos do ponto de vista financeiro - ele tirou a última sílaba da palavra e ficou apenas com Koma, acrescentanto a palavra "Conde" (em espanhol mesmo) por sugestão de um amigo espanhol. Ele participou de vários torneios de luta-livre, wrestling e etc. E, embora tenha perdido pelo menos 2 lutas, ele parece ter vencido na maioria das vezes (há poucos registros históricos confiáveis de suas lutas). Mas onde existem, esses registros nos dão uma informação preciosa de seu estilo de lutar: Ele geralmente atacava o adversário com "low-kicks" e cotoveladas (isso mesmo!!) para depois finalizar o mesmo no chão. Na vedade, esse era o estilo utilizado por muitos lutadores do Kodokan no início do século. Em relação ao Brasil, o livro traz informações (valiosas) apenas sobre o seu trabalho importante no auxílio de imigrantes japoneses e sobre sua vida pessoal (ele se natuaralizou brasileiro em 1931).

A segunda biografia é do brasileiro Sensei Stanlei virgilio, nela podemos descobrir um pouco da vida de Maeda no Brasil.
O Sensei Stanlei Virgilio, com mais de meio século de sua vida dedicada ao Judo, é autor de sete (07) excelentes livros sobre Judo ("Arte do Judo" - 1987, "A Arte e o Ensino do Judo" - 2000, "A Arte do Judo - Golpes Extra Gokio" - 1990, "Judo Defesa Pessoal" - 1994, "Mitsuyo Maeda - Conde Koma" - 2002, "História do Judo de Campinas" (1994) e "Personagens da História do Judo Brasileiro" - 2002) e um dos maiores conhecedores da filosofia, história, técnica e da arte do Judo.
Otávio Mitsuyo Maeda - O Conde Koma: Toda a história desta figura imortal do nosso Judo e da história da expansão e consolidação dessa nobre arte fora do Japão, narrada em 104 páginas. Este que foi o maior divulgador desta nossa arte nas Américas e na Europa. Mais de mil combates sem derrota; herói da imigração japonesa no norte do nosso país. Uma história absolutamente verídica, e que, por certo ficará gravada na memória do leitor.
« Previous
 
Next »
 

3 comentários:

Se ele começou a treinar em 1894, como você mesmo diz no texto, e somente em 1897 ele se matrículou na Kodokan, ele pode muito bem ter aprendido o estilo tradicional primeiro. Em 3 anos de treino sendo um ótimo aluno pode aprender DEMAIS!! Vide BJ Penn que se tornou preta em 3 anos de treino BJJ.

Essa parte da História de Conde Coma, eu não sabia, para mim foi de muito importante saber de algumas verdades que não ensinada para nós. Nesse Contexto eu sempre falei da Conde Coma, e Com essa informações, penso que meus alunos/atletas iram ficar satisfeitos;
Boa Tarde e Abraços
Sensei Ataides Leal

Você deve ter lido errado. A matrícula foi em 1894